O perigo da solidão para a saúde

23/04/2014

http://www.ibacbrasil.com/sites/default/files/img/noticias/espirro.jpg

Uma matéria postada em um blog da Revista Super Interessante, pela jornalista Carol Castro, conta como a solidão pode ser perigosa para a saúde das pessoas.  Ter um momento só seu é importante sim, desde que não vire rotina.
A jornalista cita três estudos de caso que confirmam essa afirmação. Abaixo a síntese de cada um:

MATA MAIS QUE OBESIDADE
É duas vezes mais perigoso ser solitário do que ser obeso. Foi o que descobriu o psicólogo John Cacioppo ao acompanhar a vida de 2 mil pessoas ao longo de seis anos. Os solitários corriam mais risco de morrer do que os outros. É que a solidão eleva a pressão arterial e, logo, aumenta também os riscos de infartos e derrames. Além disso, o isolamento enfraquece o sistema imunológico e piora a qualidade do sono.

É CONTAGIOSA
Faz mal pra você, pros seus amigos, pra todo mundo. É o que dizem pesquisadores das universidades de Harvard, Chicago e Califórnia. Eles descobriram que amigos de pessoas solitárias têm 52% de chances de sentir solidão. Isso porque os solitários não interagem tanto assim com os amigos. Só que aí os próprios camaradas começam também a se sentir mais sozinhos, confiar menos nos outros e, olha só, fugir das pessoas. É um dominó de solidão.

DEIXA VOCÊ COM FRIO
Pesquisadores da Universidade Tilburg convidaram um grupo de pessoas para um jogo online de arremesso de bolas e mediram a temperatura do corpo delas 24 vezes. Algumas foram deixadas propositalmente de fora de jogadas – a ideia era fazer com que elas se sentissem excluídas e solitárias. Nesses momentos, a temperatura média do corpo caía 0,378 graus Celsius. Culpa do sistema nervoso autônomo: ele reage à solidão deixando as veias das áreas periféricas mais contraídas. Isso faz com que os dedos fiquem mais gelados.
Além disso, segundo os pesquisadores, o isolamento social parece deixar as pessoas mais estressadas, distantes do sistema de saúde e aumentar a chance de sofrer algum problema no coração. Para ler a matéria na íntegra clique aqui.

Fonte: Super Interessante.